segunda-feira, julho 10, 2017

QUERO SER ESCRITOR - CANAL DO KUERQUES

 Dicas para ser um escritor.

sexta-feira, julho 07, 2017

PERSONAGEM

Navegava pela internet como se alguém ainda usasse o verbo navegar para isso. Foi na época das lan houses abertas em cada esquina. Aprendeu a ser virtual ali. Conheceu gente de Anchieta, Bangu, Magalhães Bastos, Rocinha, Pavuna, Botafogo e por aí vai. Aprendeu a ser menos tímido. Também descobriu oportunidades virtuais. Descobriu a graça. Por isso o navegar. E dizia num tom crítico e romântico: “Em terra que falta energia vai bem um Jazz para jantar a luz de velas”. Como se tivessem inventado o mundo anteontem.

Numa quinta-feira na aula de Embriologia Básica do Curso de Biologia que havia começado recentemente ignorava o que se passava por conteúdo e abraçava a paixão involuntária por literatura. Acontece que já possuía um perfil ativo virtual muito diferente do que era no dia a dia. Raquel, sempre inoportuna, comentou com Honório:

- Mas você coloca frases tão lindas na internet e não faz nem a metade do que escreve.
- É um personagem.
- É o caso, então, de eu preferir o personagem ao ator. Se encontrá-lo, fale de mim - riu bem sarcástica.
- Mas você é aquela Silvia Gomez da internet?
- Sou sim.
- Nada a ver com as fotos. É o caso de eu preferir a modelo das fotos ao invés de você.

Thiago Kuerques

quarta-feira, julho 05, 2017

ESTAMOS RINDO DE NERVOSO

Temos uma grande predileção pelo espetáculo. É uma constatação tão fácil que nem precisaríamos nos debruçarmos na obra antológica de Guy Debord para tal. Nossas redes, magnéticas, físicas e virtuais, do bar para o grupo no whatsapp, são repletas de graça. Não no sentido estético da palavra. Nem no sentido capitalista da palavra. No sentido debochado mesmo. Tá tudo uma merda (pelo menos para a maioria) e não aceitamos estar por baixo. Seguimos vivendo como um escravo do século XVIII como se, aparentemente, vivêssemos na Noruega do século XXII. Não importa nada além do espetáculo. Masterchef, Big brother, futebol, novela, filme de herói, até os engajamentos da moda. Tudo servindo para o espetáculo. O que há de ruim nisso? Eu mesmo me entretenho com metade disso aí. Só que, rapaz, cadê o equilíbrio?
Acontece um desconforto social, piada. Surge uma grave denúncia contra a democracia, piada. Morte um inocente, piada. A gente não está rindo mais pela graça da coisa. Estamos rindo de nervoso. Atestamos a idiotice. Os motivos são bem claros.
Servidores de várias instâncias não recebem seus salários. Vários direitos estão sendo extintos. A reforma trabalhista está quase na aprovação final. A da previdência idem. Não se repararam mas alguns produtos diminuíram a embalagem é aumentaram os preços. Aprovaram a cobrança diferenciada para cada tipo de pagamento. As ações em São Paulo na "Cracolândia" tratando doentes como animais. Isso sem falar na graça que muita gente achou na tatuagem na testa de um garoto. A vida tá ganha, né? Minha mãe dizia isso quando a gente, lá pelos dez anos caía na gargalhada por qualquer coisa. Tá rindo até de injeção na testa, dizia ela.
Matam direitos, matam possibilidades, matam a dignidade, matam pessoas. E você aí só em busca da nova piada, do novo meme? A gente tá assim mesmo. Estamos rindo até de injeção na testa. Como esse texto não tem graça você não deve compartilhar no seu feed, nem no seu grupo da família do Whatsapp.

segunda-feira, julho 03, 2017

PROPAGANDAS

- Propaganda de cerveja tem que ter mulher.
- Propaganda de margarina tem que ter família.
- E o resto?
- Vai pra propaganda de telejornal.

Siga este blog por e-mail