domingo, junho 18, 2017

NÃO ABANDONE POEMAS


Respeito várias preguiças. Não sou do tipo mais exemplar que percorre todas – ou a maioria – das horas da vida com energia incessante. Tenho preguiça de acordar, de levantar da cama, de enfrentar o frio ou o calor ou o nublado, de ouvir gente animada ou triste em alguns momentos do dia, de virar ou desvirar ou atravessar ou voltar ou circular ou recuar. São muitas preguiças que acontecem várias vezes. Há quem tenha preguiça de cozinhar com ou sem fome. Preguiça de se banhar com ou sem sujeira. Lembremos que preguiça é um dos pecados capitais mais populares e, até certo ponto, simpáticos da lista.
Por preguiça já ignorei umas belas oportunidades de belas bocas, umas consideráveis chances de belas fodas. Era jovem, dirão. Isso para pegar leve. Mas, me defendo, eu era tímido e acredito que timidez tem alguma relação com preguiça também já que o tímido evitar ter desgastes, problemas. Por preguiça já cometi pequenos delitos. Principalmente, ignorei poemas. Ignorei ideias. Ignorei súbitos. Enquanto gargalhava na mesa de um restaurante com cinco ou seis amigos escolhi ignorar um poema. Quando atravessava a passarela da avenida movimentada ignorei outro poema. Quando via um filme emblemático no cinema da zona oeste acabei deixando para depois um bom pensamento. Minha oralidade é péssima. Tenho sempre que anotar, registrar. Poemas abandonados, assim como ideias ou caminhos ou amores, acabam sempre procurando novos donos. Poemas também abandonam poetas.
Que sejam perdoadas até aqueles dias que se tem preguiça de viver. Por mais que os amigos de outras cidades gostem e desejem viver, na cidade do Rio de Janeiro isso é bem corriqueiro. Muitas preguiças são perdoáveis. A não ser aquela mais indefensável de todas: a preguiça de pensar.

Nenhum comentário:

Siga este blog por e-mail